Politica de cookies

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Donos de cães vs donos de gatos


Um estudo da Universidade de Carrol, situada em Waukesha, no Wisconsin, liderado pela professora associada de psicologia Denise Guastello e publicado no passado dia 2 de Junho, sugere entre outras coisas que os donos de cães e os donos de gatos têm personalidades diferentes.

Para fazer o seu estudo, a psicóloga realizou entrevistas a cerca de 600 alunos da universidade onde desenvolve os seus trabalhos, onde perguntava se preferiam cães ou gatos e quais as qualidades que mais apreciavam na espécie escolhida. Depois, colocava um grupo de perguntas para avaliar a sua própria personalidade.

Daqueles que participaram no estudo, 60 % foram perentórios sobre a sua preferência por cães e só 11 % preferiam os gatos aos cães. Os restantes mostraram não gostar mais de uma espécie do que doutra e uma pequena percentagem afirmou não gostar de gatos nem de cães.
Quanto aos que escolheram os cães, os psicólogos perceberam que existem alguns traços comuns de personalidade. São mais sociáveis, mais compreensivos, mais ativos e são mais seguidores das regras estabelecidas; por outro lado, mostram mais vontade de sair e de levar o seu cão consigo para passearem juntos. Já os que dizem preferir gatos mostraram-se mais sensíveis, compreensivos e introvertidos, e segundo o estudo parecem ser mais inteligentes; contudo, mostram menos vontade de sair de casa, porque preferem a tranquilidade que o lar lhes oferece.

Quanto à qualidade mais apreciada na espécie escolhida, se nos gatos a escolha recaiu sobre a afetividade, nos cães recaiu sobre o companheirismo, levando os investigadores a suspeitar que a escolha do animal de companhia será na maioria dos casos feita com base na personalidade daquele que vai adotar.

Uma vez que a amostra é muito homogénea em idades, os investigadores envolvidos ponderam colher outras opiniões, principalmente de faixas etárias mais variadas, para aferir se existe alguma estabilidade nos resultados ou se estes dados variam dependendo da fase da vida em que cada pessoa se encontra até porque, à partida, parece difícil estabelecer se as pessoas são mais ou menos inteligentes apenas pela preferência por um animal.

Sem comentários:

Enviar um comentário