Politica de cookies

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Médica militar vai a tribunal por salvar gata



Uma médica militar italiana destacada numa base do Kosovo, cujo único crime foi ter salvado uma gata que não conseguia parir o último gatinho de uma ninhada, corre agora o risco de ser presa.

Ao que se sabe, na base existe um grupo de gatos que, do ponto de vista do comando, são vadios, mas que na prática são alimentados pelos militares e vivem no espaço físico da base. Um dia, na ausência da veterinária da base, a médica, tenente nesta altura, estava de serviço e foi alertada por outros militares que, em determinada zona do aquartelamento, havia um ruído estranho provocado por um gato. A médica, de nome Bárbara, dirigiu-se ao local e deparou-se com uma gata que não conseguia parir o último gatinho de uma ninhada, decidindo de imediato ajudar ao nascimento.

Este acto acabou por custar à militar um processo por insubordinação, podendo vir a ser condenada a pena efectiva de prisão, apesar de já ter abandonado a vida militar. A acusação é de ter quebrado a regra de levar animais vadios para a base, por questões de segurança sanitária, o que na verdade não aconteceu, uma vez que os gatos já habitam a base onde estava estacionada.

Na verdade, a segurança sanitária seria mais fortemente colocada em causa se a gata morresse na base, tendo toda a área de ser desinfectada de acordo com o protocolo, o que não seria fácil. Por outro lado, neste cenário os gatinhos já nascidos também não sobreviveriam, o que multiplicaria o risco de contaminações. Para além de tudo isto, e não menos importante, o que é facto é que a intervenção de Bárbara impediu o sofrimento da mãe gata e de toda a prole, conferindo a este acto uma dimensão humanitária, que é também o dever de qualquer militar

Bárbara tem uma sessão de julgamento marcada para o próximo dia 7 de Fevereiro, mas até lá o caso vai chegar ao parlamento italiano, já que uma grande parte da população italiana está chocada com esta decisão. Essa indignação levou a que também a comunidade política italiana começasse a fazer-se ouvir, tentando que a médica seja ilibada de todas as acusações e seja em definitivo deixada em paz. Tudo por ter simplesmente socorrido uma gata, que certamente morreria em grande sofrimento se não contasse com a sua ajuda.

1 comentário:

  1. Barbara mostrou ser uma pessoa íntegra, sadia e 100% humana a quem o sofrimento de todo o ser vivo não é indiferente.

    ResponderEliminar